A Prova

Depois de oito meses de atraso, fui ao Detran renovar minha carteira de habilitação. Para tal, foi preciso, além dos procedimentos básicos como exame médico e recolhimento de taxas, realizar uma prova de Direção Defensiva e Primeiros Socorros.

Quem me conhece sabe que sou calmo, dirijo com cuidado e nunca – ou quase nunca – fui imprudente ao volante. Nunca bati e multa foi apenas uma, por passar no farol amarelo/vermelho, atrás de um ônibus que me roubou a visibilidade (aquele guarda Fiii.. $@@!!).

Estudei pouco, fiz alguns simulados pela Internet, agendei meu exame e segui para o Detran.

No Detran, a mesma coisa. Por fora, as belas formas arquitetônicas assinadas pelo gênio Oscar Niemeyer; por dentro, um local meio obscuro, com despachantes por todo lado em conversas sobre como dar a volta em seus clientes. Desviei de uma alcatéia deles e prossegui para o local da avaliação.

Uma fila apontava para a sala. Entrei e logo fui dirigido à uma mesa empoeirada, número 33. Na espera, que sempre é angustiante, comecei a matutar: 33 foi a idade que Jesus foi crucificado, exposto em vergonha … … será que significa que vou padecer também??

Logo afastei o pensamento desanimador, olhei para o relógio e ainda faltavam quinze minutos para o início do embate, digo, prova.. Passei o dedo sobre a mesa, li algumas inscrições como “É nois!” “Z/N” entre outras e me deparei com um pequeno papel de chiclete amassado.

Na mesa havia também um buraco daqueles que servem para passar fios e logo inventei um jogo. A regra era: caso conseguisse colocar aquele papelzinho no buraco, dando um toque (simulando um chute) com o dedo, significaria que passaria no exame. Tentei umas 20 vezes. Ora o papel passava a marca, ora parava próximo. Vi que era quase impossível conseguir o tento e mudei a regra do jogo a meu favor, afinal o jogo era meu, .

Agora a lei seria: caso conseguisse colocar o papel pelo buraco, significaria que não conseguiria passar no teste. Primeira tentativa – meio displicente, é verdade – e o papel foi longe. Na segunda, flupt. O papel entrou como se estivesse sido colocado cuidadosamente no orifício.

Que droga! – pensei. Nisso, a prova começou a ser distribuída. O que eu imaginava ser fácil, tornou-se um tormento.

Qual é a quantidade de passos que devem ser dadas para se colocar um sinalizador em uma estrada cujo limite máximo de velocidade é de 80 por hora, mas que esteja sob chuva? Em qual situação deve tirar o cinto de segurança do acidentado? Fiquei atordoado….

No dia seguinte, fui ao Poupatempo obter minha resposta….

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “A Prova

  1. Nani Santos

    Não vai contar se passou ou não?
    Não vai atualizar este blog?
    Beijos.

  2. Nani Santos

    Ô, da escolta: obrigada pelo comentário no meu blog.

    A cada dia mais, e definitivamente, não posso viver sem suas críticas e elogios, sem suas pegadas de pé… não posso viver sem você. Dá pra entender isso.
    Te amo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s